segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Encadernação romanesca 1/3

Olá mundo!

Mais uma vez (já nem sei mais quantos posts começo assim), desculpem-me pelo ritmo mais espaçado de postagens. Pretendo compensar, apresentando uma pequena série tri fofinha: um tutorial de encadernação romanesca :).

Não sou nenhuma especialista em encadernação. Quaisquer sugestões de aperfeiçoamento e dicas são bem-vindas. A encadernação é uma arte cheia de detalhes, em especial no acabamento, e o objetivo desses tutoriais é apenas dar uma visão geral desse tipo de costura. Sugiro que vocês comecem com papeis de rascunho (terão os bloquinhos de nota mais prendados da paróquia :D), e depois passem para outros materiais mais sofisticados, se o quiserem.

Importante lembrar: esses tutoriais são destinados para uso pessoal e educativo, não-comercial. Para quaisquer outros usos, por favor, contate-me.

Espero que vocês gostem :) (A propósito, se gostarem muito e quiserem apoiar meu trabalho de algum modo, cogitem a aquisição de alguma gravura ou caderno artesanal!)


Esse primeiro tutorial é bem básico; na verdade, serve para vários tipos de encadernação.

A primeira coisa que devemos verificar, ao planejar a construção de um livro artesanal, é o sentido da fibra do papel. O papel é feito de fibras que se entrelaçam mas, durante o processo de fabricação, um dos sentidos é o dominante. Para descobrir qual é, faça como na figura 1: pressione levemente o papel, como se fosse o dobrar, e verifique se ele "cede" mais no eixo horizontal ou vertical (no caso de uma folha retangular, normalmente é no eixo vertical). O ideal é fazer todas as dobras paralelas ao sentido da fibra do papel - ou seja, nesse sentido da menor resistência -, o que quebra menos as fibras.

Agora vamos fazer os cadernos. Se vocês repararem, muitos livros/encadernações são compostos de vários bloquinhos de folhas dobradas; a esses blocos, chamamos cadernos. A dica é cortar a folha no dobro do tamanho da página, e dobrar ao meio. Para melhorar o acabamento, o legal mesmo é fazer a dobra paralela ao sentido da fibra do papel, e utilizar uma dobradeira ou algo similar para auxiliar. Eu normalmente uso uma colher de madeira, aquelas de imprimir xilo. Até um cartão plástico pode servir na hora do improviso :).

Se vocês repararem, no caderno pronto, a borda do corte dianteiro (ou seja, a parte oposta à dobra) fica desalinhada. A dica é refilar essa parte: posicione a régua de metal (NÃO façam com régua de plástico, o risco de acidentes é maior) e corte, várias vezes, suavemente e do início ao fim, com um estilete de lâmina bem afiada. Sejam cuidadosos, amiguinhos!

E é isso. A encadernação romanesca é caracterizada por um número ímpar de cadernos, a partir de cinco. Então minha sugestão é que vocês preparem cinco cadernos.

Até a próxima, čuvajte se!

**Edição** - Links:
- Parte 2/3 do tutorial
- Parte 3/3 do tutorial

2 comentários:

  1. "Os bloquinhos de nota mais prendados da paróquia"...que mimo de frase XD

    ResponderExcluir